Cimento, um dos maiores emissores de CO2, causador do aquecimento global

Cimento

Nas cidades, por todos os lados para onde olhamos vemos cimento. As construções urbanas usam o material em larga escala, o que vem provocando um efeito nocivo para o meio ambiente.

A produção de cimento é fonte de dióxido de carbono (CO2), um dos gases responsáveis pelo aquecimento global, e contribui em 8% para as emissões mundiais de CO2, segundo informa reportagem da BBC News Brasil.

Devido a esse nível de emissão alarmante, promovido apenas por um tipo de indústria, a COP24 – Conferência da ONU sobre mudanças climáticas -, realizada na Polônia este mês, debateu esse problema.

Representantes do setor discutiram formas de atender ao disposto no Acordo de Paris, onde foi acordado um compromisso mundial para reduzir a emissão de gases na atmosfera.

A indústria do cimento teria que, até 2030, reduzir em pelo menos 16% a emissão anual promovida pelo material. Uma tarefa difícil de ser cumprida na prática, principalmente, porque a maioria dos projetos de construção civil usa o cimento.

Produção tóxica

Essa dificuldade está nas condições de extração de matérias-primas, sobretudo, o calcário e a argila, que são triturados com outros materiais e introduzidos em fornos de cerca de 1.450°C.

A reação química da decomposição térmica que transforma o calcário em cal virgem – um processo chamado calcinação – divide esse material em CO2 e em óxido de cálcio, dando origem a uma nova substância: o clínquer.

Ao chegar na produção do clínquer, ele é resfriado, moído e misturado com gesso e calcário para poder ser transportado para os fabricantes de concreto.

Em 2016, todo esse processo de produção gerou 2,2 bilhões de toneladas de CO2 (os tais 8% responsáveis pela emissão mundial), sendo metade desse valor proveniente do processo de calcinação.

Como solucionar o problema?

Felix Preston, vice-diretor de pesquisa do Departamento de Energia, Meio Ambiente e Recursos da Chatham Hous, argumenta que é preciso o setor produtivo do cimento pensar em formas para reduzir o CO2 que levem em conta eficiência energética, fontes alternativas ao combustível fóssil, captura e armazenamento de carbono e, principalmente, produzir cimentos novos.

Uma forma de produzir novos tipos de cimento é a técnica de colocar areia em moldes e injetar nela microorganismos, a fim de desencadear um processo semelhante ao que cria o coral.

Ginger Krieg Dosier, arquiteta e co-fundadora e CEO da BioMason – start-up dos Estados Unido -, diz que se surpreendeu ao não encontrar alternativas ecológicas para tijolos e alvenaria quando começou uma pesquisa há de 10 anos. Foi por causa dessa lacuna que ela decidiu criar uma solução própria para o problema, que leva apenas quatro dias para ficar pronta: os cimentos verdes.

O cimento verde é obtido de um processo que ocorre em temperatura ambiente, evitando a calcinação e os combustíveis fósseis, as duas principais fontes de emissão de CO2 da indústria do cimento.

Segundo a arquiteta: “As práticas tradicionais de produção de cimento Portland continuarão a liberar CO2 devido a sua química fundamental”. Por isso, é essencial investir em técnicas que removam completamente o carbono da atmosfera.

O uso de materiais alternativos vem ganhando espaço na indústria da construção, na opinião de Krieg Dosier, por causa das demandas do mercado e da conscientização sobre a necessidade de se fazer algo em relação às mudanças climáticas.

Torna-se cada vez mais urgente que a indústria do cimento e os governos pensem no problema real de construir casas economicamente acessíveis, de qualidade e com baixo impacto ambiental. Para isso, é preciso pensar em novas formas de construção que se aproximem cada vez mais de emissões perto de zero.

Talvez te interesse ler também:

ESTE É O PRIMEIRO BIOTIJOLO FEITO COM… XIXI HUMANO!

CASAS DE SUPERADOBE – BARATAS, FÁCEIS DE FAZER E ECOLÓGICAS: CONHEÇA ESSA TÉCNICA DE BIOCONSTRUÇÃO

O TIJOLO DO FUTURO SERÁ ECOLÓGICO, ECONÔMICO E PRETO

Doutora em Estudos de Linguagem, Mestra em Linguística e Especialista em Ensino de Língua Portuguesa, escreve para GreenMe desde 2015.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!