Entre mais de 360 mil propostas, Tupi e Guarani serão nomes de estrela e planeta

estrela e planeta Tupi e Guarani

Geralmente, os nomes atribuídos a corpos celestes são compostos de letras e números que representam a localização deles no universo. Embora a descoberta desses astros seja fascinante, seus nomes de batismo são muito pouco interessantes, às vezes.

Entretanto, desta vez, a União Astronômica Internacional (IAU) resolveu inovar. A entidade, que acaba de completar 100 anos, convidou mais de 110 países para batizar exoplanetas, que são planetas que se encontram fora do Sistema Solar.

A IAU recebeu mais de 360 mil propostas. As enviadas pelo Brasil prestaram uma homenagem aos povos indígenas tupi e guarani, como informa o G1.

O público brasileiro pôde propor nomes para a campanha de junho a setembro deste ano. Foram recebidas 977 sugestões de pares de nomes para batizar os exoplanetas. A “dupla” que recebeu mais votos foi a tupi e guarani – 7 mil no total.

Em substituição ao nome “HD 23079 b”, este planeta agora se chama “guarani” e a sua estrela hospedeira, a “HD 23079”, foi nomeada de “tupi”.

Isso significa que qualquer pesquisa feita nos exoplanetas terão de mencionar sues novos nomes. Outros países que enviaram sugestões foram:

  • Irlanda – escolheu nomes dos cães mitológicos Bran e Tuiren;
  • Jordânia – escolheu nomes das cidades antigas e protegidas ao sul do país Wadirum e Petra;
  • Malaisia – escolheu os nomes, na língua malaia, Baiduri e Intan;
  • Burkina Faso – escolheu os nomes dos rios do país Nakambé e Mouhoun.

A Organização das Nações Unidas (ONU) escolheu 2019 como o “Ano Internacional das Línguas Indígenas“, o que representou um incentivo aos países onde elas são faladas sugerir palavras do léxico usadas pelos povos tradicionais.  A Argentina, por exemplo, escolheu os nomes “Naqaya”, para o exoplaneta, e “Nosaxa”, para a estrela, ambasda língua da comunidade indígena Moqoit.

De acordo com o copresidente do comitê gestor da campanha, Eric Mamajek:

“As observações astronômicas levadas até agora descobriram mais de 4 mil planetas ao redor de outras estrelas — os chamados exoplanetas. O número de descobertas continua a dobrar a cada 2 anos e meio, revelando novas populações notáveis de planetas e colocando nossa própria Terra e o Sistema Solar em perspectiva”.

A IAU, que é uma organização da qual participam 13,5 mil astrônomos de mais de 100 países, é a responsável internacionalmente por escolher as denominações dos corpos celestes.

No caso brasileiro, estamos muito bem representados, já que os povos indígenas não apenas olham como, também, veem o céu!

Talvez te interesse ler também:

OS ÍNDIOS E O CÉU: AS BASES DA MITOLOGIA INDÍGENA BRASILEIRA

NÚMERO DE MORTES DE LIDERANÇAS INDÍGENAS EM 2019 É O MAIOR EM 11 ANOS

SÍNDROME DE KESSLER: O LIXO ESPACIAL VAI CAUSAR TILT NA TERRA

Fonte foto

Doutora em Estudos de Linguagem, Mestra em Linguística e Especialista em Ensino de Língua Portuguesa, escreve para GreenMe desde 2015.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!