Medicina indígena: um centro em Manaus ofere tratamento ancestral para curar corpo e espírito

Medicina indígena

A medicina é a arte de curar. Sua forma primitiva esteve não apenas associada à cura dos males do corpo, como, também, espirituais.

Na Grécia, os primeiros relatos de experimentos médicos foram praticados por Hipócrates, há cerca de 2 500 anos, como informa o Brasil Escola.

Já no Egito, foram desenvolvidas várias técnicas de tratamento de enfermidades, como emplastros feitos com vísceras de leões ou elefantes, e de preservação dos corpos mumificados dos antigos faraós.

Na Idade Média, os médicos desafiavam a Igreja, que impedia as dissecações de corpos para o estudo dos órgãos internos do organismo.

Somadas a essas experiências, há, também, a medicina indígena, considerada como uma prática religiosa.

A medicina dos povos indígenas vendo sendo cada vez mais valorizada como alternativa para o tratamento de diversas enfermidades, indo de problemas emocionais a físicos.

No centro histórico de Manaus, foi inaugurado, há dois anos, o primeiro centro de medicina indígena do Amazonas, com o objetivo de oferecer outras formas de tratamento a partir de uma sabedoria ancestral.

O coordenador-geral do Bahserikowi’i, João Paulo Lima Barreto (da etnia Tukano), lamenta a carência de mais pesquisas sobre tais tratamentos, além de uma relação pouco estreita com os órgãos de saúde.

Não há um diálogo entre o poder público e os saberes dos indígenas para que haja uma integração, de fato. Isso é fruto de um processo longo de discriminação e não compreensão das práticas terapêuticas indígenas, que sempre foram colocadas numa lógica de feitiçaria, não como um conhecimento diferente, que engloba não somente a parte física das pessoas, mas o lado psicológico e espiritual. A ciência tem dificuldade de compreender esses outros saberes”, diz ele ao site Acrítica.

Como funciona

centro tratamento indigena

O atendimento no centro de medicina é feito por um Kummuã – conhecido, também, como pajé – que é um especialista em plantas medicinais e no seu uso em uma técnica chamada “bahsese” (benzimento).

Durante as consultas, após escutar o paciente, o Kummuã receita o medicamento à base de produtos naturais ou faz o benzimento, com o objetivo de afastar os sintomas apresentados pelo paciente.

O consultório indígena conta com uma equipe de recepcionistas, dois intérpretes e dois Kummuã. A sede do Bahserikowi’i tem prateleiras repletas de medicamentos extraídos de ervas amazônicas “in natura”, as quais passam pelo benzimento do Kummuã. Os medicamentos custam entre R$ 20 e R$ 30 reais.

Desde a sua criação, o Bahserikowi’i já atendeu cerca de 2,3 mil pessoas. As doenças mais tratadas no centro são emocionais e psicológicas, dores musculares, feridas, dor de cabeça, náusea, pedra nos rins e gastrite.

Integração

Os povos indígenas há muito tempo reivindicam um hospital indígena na capital do Amazonas. Os próprios médicos que trabalham nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dsei) já estão habituados à integração entre a medicina convencional e as técnicas terapêuticas indígenas.

O caso de uma menina indígena que, em um hospital convencional, quase teve o pé amputado por causa de uma picada de cobra, após ter ampla repercussão midiática, levantou o debate sobre a criação de uma lei estadual para assegurar o direito dos indígenas a terem um tratamento integrado nos hospitais públicos.

“Já é possível encontrar espaços para tratamentos diferenciados aos indígenas, mas a discussão está presa nessa lógica de espaço físico, ainda não chegou no atendimento com técnicas terapêuticas indígenas. Uma coisa é um hospital indígena formado por médicos indígenas, outra coisa é termos um hospital indígena a partir da lógica dos especialistas indígenas (o Kummuã). Isso tem que ficar claro”, explica João Barreto.

Público atendido

Barreto destaca que a maioria dos usuários dos tratamentos oferecidos no centro é não indígena. Muitos chegam motivados a tentar um tratamento não convencional ou pela curiosidade em conhecer um Kummuã. Barreto explica que este é uma pessoa “normal”, e não um ser folclórico. “O Kummuã é uma pessoa normal, que tem um conhecimento ancestral dentro dele”.

O Tukano, que é doutorando em Antropologia, acredita que os pacientes não indígenas que chegam ao centro já estão desacreditados da medicina tradicional. Embora seja por esta considerada como um tratamento complementar, a medicina indígena já vem sendo estudada para comprovar que seus conceitos e conhecimentos devem ser levados em consideração, informa uma outra matéria de Acrítica.

Um dos Kummuã que atende no centro é Ovídio Lemos Barreto (78 anos), também pertencente à etnia Tukano. Ele diz estar satisfeito com o trabalho do centro, que vem ajudando, nesses dois anos, muitas pessoas.

“Essa é a prova de que o nosso conhecimento, nossa experiência, tem um resultado positivo e que a nossa medicina é eficiente. Estamos consolidando o nosso espaço”, relata.

Onde fica

O Centro Bahserikowi’i funciona das 8h às 12h e das 13h às 16h, na rua Bernardo Ramos, mas os atendimentos podem ser feitos, também, no domicílio do paciente, de acordo com a sua necessidade.

O espaço reafirma a valorização e a importância da cultura dos povos indígenas.

Talvez te interesse ler também:

COMO SAIR DA CRISE ECONÔMICA? DANDO TERRAS AOS ÍNDIOS, DIZ PESQUISA

MAIS DE 300 ETNIAS, MAIS DE 200 LÍNGUAS: CONHEÇA A RIQUEZA CULTURAL DOS NOSSOS ÍNDIOS

ÍNDIO: O MAIOR CONSERVADOR E DEFENSOR DA VIDA NA TERRA

Fontes fotos: Acrítica

Doutora em Estudos de Linguagem, Mestra em Linguística e Especialista em Ensino de Língua Portuguesa, escreve para GreenMe desde 2015.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!