Zero Veneno: Florianópolis será a primeira zona livre de agrotóxicos do Brasil

100% orgânico

Com o uso indiscriminado de agrotóxicos nas terras brasileiras, é preciso nos organizarmos para pensarmos em soluções inteligentes que garantam a segurança alimentar dos brasileiros.

É de Florianópolis que vem uma iniciativa de fazer da capital de Santa Catarina uma zona livre de agrotóxicos, segundo a Lei nº 10.628/2019, publicada no Diário Oficial do município nesta terça-feira (8).

documento engloba as atividades agrícola, pecuária, extrativista e práticas de manejo da região insular da cidade.

“Fica vedado o uso e o armazenamento de agrotóxicos, sob qualquer tipo de mecanismo ou técnico de aplicação, considerando o grau de risco toxicológico dos produtos utilizados, na parte que pertence a ilha”, normatiza.

O prazo para execução da lei é de 180 dias, contados da data de sua publicação. Entretanto, é preciso, ainda, definir como a população será esclarecida e, posteriormente, fiscalizada, já que o descumprimento da norma enseja multa, cujo valor será ainda estipulado. No caso de descumprimento legal, os empregados que estiverem cumprindo ordem de superiores não serão penalizados.

A prefeitura prevê campanhas de conscientização para a população sobre o uso e o cuidado do manejo e da aplicação de produtos agrotóxicos.

A prática irregular pode ser denunciada por qualquer cidadão. A arrecadação proveniente das multas será destinada às áreas de saúde e meio ambiente do Executivo municipal.

De acordo com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Planejamento e Desenvolvimento Urbano (SMDU) e a Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram) :

“O tema ainda precisa ser estudado e analisado antes da lei entrar em vigor em outubro de 2020”.

Um outro desafio para a aplicação da lei é garantir a certificação dos produtores orgânicos. A prefeitura ainda não esclareceu se para pertencer à “Zona Livre de Agrotóxicos” eles precisarão apresentar certificados ou não. O Centro de Estudos e Promoção da Agricultura de Grupo registra 37 produtores orgânicos em Florianópolis.

A produtora Glaucia Santos Severino, entrevista pelo G1, produz vários alimentos sem agrotóxicos ou defensivos, mas não tem, ainda, o certificado, porque é caro obtê-lo.

“Para minha saúde e da minha família, optamos por plantar sem veneno. Se tiver que usar, eu desisto, simplesmente não planto mais. Dou valor a saúde; e saúde é comer saudável, sem uso de venenos“, explica a produtora.

O projeto “Zona Livre de Agrotóxico” foi aprovado por unanimidade na Câmara dos Vereadores de Florianópolis. A lei irá autorizar os insumos regulamentados para a agricultura orgânica, os quais são considerados de baixo impacto ambiental e de baixa toxicidade. O uso de agrotóxicos está previsto para a aplicação de medidas de prevenção, detecção precoce, controle e erradicação de espécies exóticas invasoras, bem como para fins de restauração ambiental, desde que haja aprovação do conselho gestor e esteja no plano de manejo da unidade de conservação.

A prefeitura quer incentivar o processo de transição ecológica no município, o que implica, além de desenvolver setores econômicos produtores e comercializadores de produtos fotossanitários e de insumos para a agroecologia, pôr em marcha projetos no campo de educação ambiental.

“Por meio de várias ações, incentivamos o processo de transição agroecológica: primeiro conseguimos aprovar a Lei que cria a Política Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica. Depois conseguimos criar o programa 116 no orçamento municipal – Agroecologia e Segurança Alimentar e Nutricional. O próximo passo é construir as propostas das compras institucionais”, informou a assessoria do vereador proponente da lei.

Que outras cidades se inspirem nesse projeto! Parabéns Florianópolis!!!

Talvez te interesse ler também:

MAIS VENENO NA MESA: 2019 JÁ SOMA 382 NOVAS APROVAÇÕES

AGROTÓXICO NATURAL: ÓLEO DE EUCALIPTO COMBATE FUNGOS EM PLANTAS

PRODUÇÃO DE ARROZ TAMBÉM INFLUENCIA NO AQUECIMENTO GLOBAL: VIVENDO E APRENDENDO

Doutora em Estudos de Linguagem, Mestra em Linguística e Especialista em Ensino de Língua Portuguesa, escreve para GreenMe desde 2015.
Você está no Pinterest?

As fotos mais bonitas sempre contigo!

Você está no Instagram?

Curta as mais belas fotos, dicas e notícias!